Leituras dos últimos meses: Maio e Junho


Oii Genteeee.
Tem muito tempo que eu não falo sobre as minhas leituras, então resolvi fazer esse post com um resumo do que li em Maio e Junho. Falarei sobre as leituras de Julho em outro post.
Vou começar conversando com vocês de uma série que eu estou viciada, que é Rosemary Beach da Abbi Glines, eu confesso que tinha um pouco de preconceito com essa série porque muita gente falou mal, mas em Abril quando li "À sua Espera" (que nem é o primeiro livro) eu amei e já parti para ler o primeiro "Paixão sem limites" e embarquei no segundo "Tentação sem limites" ....
Depois eu enjoei um pouco do Rush e da Blaire e resolvi partir para o próximo casal, o Woods e a Della. O que achei mais interessante nessa série é que tem duologias e trilogias de outros casais dentro de uma única série. São livros New Adult, com todos os clichês possíveis desse gênero, mas são muito gostosinhos <3
De romance de época eu só li "Um sedutor sem coração" da autora Lisa Kleypas, foi uma leitura bem agradável, adorei a ambientação que a autora criou, amei os personagens secundários, principalmente o West, as gêmeas e o Winterborne. Mas ainda fiquei com a sensação que que o casal protagonista não combinava, eles são maravilhosos sozinhos, mas juntos eu não gostei tanto, me juguem! Mas ainda assim é um livro 5 estrelas.
 Li "Hoje e Sempre" da Nora Roberts, diva destruidora, amei esse romance, adorei o casal protagonista, achei a Anna muito forte, o tipo de mulher que não abaixa a cabeça para os mandos e desmandos de um mocinho machista. Gostei do Daniel por não ser um cara 100%  perfeito e, enfim, amei tudo nesse livro kkkk.
Fiz a rererelitura de "Harry Potter e a pedra Filosofal" para um projeto criado pela Cailes Sales do blog Histórias literárias, e amei né, com certeza. Todos que me acompanham já estão carecas de saber que Harry Potter é a minha saga favorita da vida e dificilmente será superada.
Ainda continuando com com as leituras de Maio, que foi o mês mais produtivo de leituras desse ano, bati o meu record em dobro. Minha meta é ler 5 livros por mês e tenho conseguido firmemente, mas em Maio eu li DEZ livros, nem estou acreditando.
Li e me surpreendi demais com "Enterre seus mortos", muito envolvente a escrita da Ana paula maia, tem resenha dele aqui. Em uma parceira publicitária que fiz com o autor Edmac Trigueiro eu li "História do Universo" que foi uma leitura sensacional, aquele tipo de livro que você aprende muito lendo. Nessa mesma vibe de não ficção eu também li "A arte de escrever bem" outro livro sensacional e muito educativo.
Li também o famosinho "A Parte Que Falta" encontra o Grande O", maravilhoso <3


Em Julho a produtividade de leituras caiu, eu acho que fiquei muito empolgada e fui com muita sede ao pote, comecei um monte de livros, mas só consegui concluir esses. 
Li "Lady Whistledown contra-ataca" em um projeto que fiz no instagram @Romancedeepocaevida e achei sensacional, adorei essa ideia de contos reunindo várias autoras em torno de um acontecimento. Sem contar que são só autoras tops de romances de época, tinha tudo para eu gostar mesmo!
Li "O colecionador de memórias" e me decepcionei um pouco, a leitura foi um tanto quanto arrastada e não conseguiu suprir as minhas expectativas. Embarquei na leitura de "Despertar" e achei sensacional e bem diferente de todos os romances que já li, tem resenha aqui. Parti para a segunda leitura do desafio de Harry Potter, sensacional nem preciso dizer mais nada. 
Estava sentindo muita falta da época em que eu lia muitos romances de banca contemporâneo, aí resolvi pegar "Sabor do proibido" e foi uma história que super funcionou para mim, já estava cansada de ler romances de banca contemporâneos com mocinhas songamongas e mocinhos ogros, mas esse foi diferente, a protagonista é sensacional e divertida, o mocinho é um boy magia argentino <3, o que estragou um pouco a leitura e impediu que eu desse 5 estrelas para o livro, foi o final corrido e um suspensezinho bobo, que não acrescentou nada na história, então acabei dando 4 estrelas.
Um romance de época nacional super arrebatador que li foi "A baronesa Descalça " da autora nacional Chiara Ciodarot, genteee que livro! É uma história ambientada no Brasil e eu estou apaixonada <3. Com certeza fechou com chave de ouro as minhas leituras de junho.
Já leu algum desses livros? Me conta o que achou. 



Pin It
1

Resenha Nacional: O garoto que tinha asas – Raiza Varella

Autor: Raiza Varella
Páginas: 510
Ano: 2016
Editora:  Pandorga
Gênero: Romance contemporâneo, New Adult
Compre: Amazon
Nota: 5 ❤/5
Sinopse


 Depois do conto de fadas protagonizado por Bárbara e Ian em O Garoto dos Olhos Azuis chegou a hora de conhecermos a história de outro casal encantado. Augusto Bittencourt, vulgo Monstro, é um renomado médico, dono de uma carreira sólida e do hábito de dispensar uma mulher atrás da outra sem piedade. Nunca se apaixonou e não acredita que um dia irá encontrar uma mulher interessante o suficiente para mudar esse fato. Mas o destino parecia pensar diferente, em uma madrugada fria ele presencia um terrível acidente de carro e conhece a garota sem nome. Uma garota que há muito tempo não sabe o que é ter um lar, se sentir segura e não precisar fugir de ninguém até que, em meio aos destroços, ela vê alguém correr em sua direção, um garoto que ela poderia jurar ter asas. Embora Augusto esteja muito longe de se parecer com um anjo, ele acaba por salvar a sua vida. Pela primeira vez, o médico de pouco humor e muito caráter terá que enfrentar e ir contra todos os seus princípios para cumprir uma promessa que não deveria ter feito e de quebra, quem sabe, se apaixonar. Em O Garoto que tinha Asas vamos descobrir se o príncipe encantado realmente vem montado em um cavalo branco ou se sua cor é o que menos importa em meio a uma singela releitura de A Bela e a Fera.

Genteee!! Eu estou apaixonada por esses livrinhos da Raiza.
São muito viciantes. Sabe aqueles new adults gostozinhos, que a gente se apaixona e devora em um único dia, "O garoto dos olhos azuis" e "O garoto que tinha asas são desse tipo".
São mais de 400 páginas incríveis, que você termina em um piscar de olhos, eu já fiquei imersa na história logo nas primeiras palavras, a escrita deliciosa e divertida da Raiza conquista muito.
Eu já tinha amado completamente o primeiro livro “O garoto dos olhos azuis” e nem sequer imaginei que esse seria ainda melhor. O Augusto é irmão da Bárbara, protagonista do primeiro livro, então ele era uma figurinha que aparecia em várias cenas da primeira história, mas não estava preparada para essa história maravilhosa no melhor estilo A bela e a fera.
Augusto, mais conhecido como Mostro, faz jus ao apelido, não por ele ser feio (muito pelo contrário), mas esse rapaz tem um humor do cão. No primeiro livro a gente viu que ele é bastante insensível, e não está nem aí para os outros.
É do tipo pegador, mas que não se apega a nenhuma mulher, dos joguinhos femininos ele passa longe, e nem pestaneja na hora de dispensar uma ficante. Ele basicamente usa e dispensa todas, mas ele não as ilude só para conseguir sexo, elas é que acabam achando que vão conseguir algo mais.
Até que surge no caminho da nossa fera, ou melhor, Monstro, uma donzela em perigo. Ele presencia um acidente na BR, um cara persegue o veículo de uma moça e propositalmente bate no carro dela, fazendo com que ela perdesse o controle e sofresse um acidente gravíssimo. 
Todos os neurônios de Augusto diziam para ele meter o pé no carro e sair de lá o mais rápido possível, mas os seus instintos de médico e algo que ele não sabe identificar grita em seu cérebro para que ele permanecesse ali e prestasse socorro à mulher acidentada.
A estranha estava gravemente ferida, mas ainda assim pede que ele cuide de algo muito importante que está no banco de trás do carro, mas ele não dá muita atenção, o mais importante era chamar a ambulância e salvar a vida da mulher. Mas quando ele olha para o banco do carro vê uma criança, um garotinho, que está completamente em choque.
Movido pela promessa que fez a estranha ele pega o garotinho, que não tinha sofrido nenhum arranhão. A garota parecia desesperada ao fazer o pedido e levando em consideração que o acidente havia sido criminoso, era melhor não entregar o garoto para a polícia.
Contra sua própria natureza, acostumado a não se importar com ninguém, ele leva a criança para sua casa e se responsabiliza a cuidar do menino, até que a mulher misteriosa saísse do hospital.
O problema é que Augusto não tem capacidade de cuidar nem dele mesmo, quanto mais de um garotinho de quatro anos que não proferia nenhuma palavra. Claro que vai dar merda, isso já era certo. Primeiro ele esquece o garoto dentro do carro, quase mata o menino de fome e isso é só o começo.
A sorte é que Monstro tem uma família numerosa e que gosta de se meter na vida dele, sua irmã é mestre em meter o bedelho em tudo, assim como o cunhado e o irmão.
Mas aos poucos o Mostro vai amolecendo seu coração, a final é impossível não amar um garotinho tão fofo e sofrido.
Enquanto a garota sem nome (é assim que ele a chama) está em coma no hospital, ele vai todos os dias vê-la, é inexplicável a ligação que ele tem com ela. Aos poucos ele se vê desejando que ela desperte logo, não para que ela pegasse o garoto e sumisse com ele, como inicialmente queria, mas sim para que ele a conhecesse.
E quando isso finalmente acontece, ela acaba mexendo muito com ele, de repente ele se vê ansiando coisas que ele nunca desejou na vida, ter uma família, ser amado por uma mulher e também amar alguém.
É claro que as coisas não dão muito certo no inicio, a final Augusto é o Mostro, ele não sabe lidar com os sentimentos, mete os pés pelas mãos, comete algumas ações reprováveis, faz e fala muita merda, mas a gente sabe que o coração dele está querendo  dizer outra coisa.
Foi incrível acompanhar a evolução do personagem, foi um livro que me deixou completamente apaixonada e emocionada. Sério, é muito incrível, vocês precisam ler. Mas tenham em mente que o Augusto não é um príncipe encantado, ele é todo cheio de defeitos e comete erros, mas ainda assim é maravilhoso.
A Garota Sem Nome, que depois chamaremos de Ana, é uma menina muito jovem, mas que já viu o lado mais cruel da humanidade, conhece o mal de perto, mas ainda assim é uma sobrevivente. É impossível não se encantar com essa garota super misteriosa, torcer para que tudo dê certo para ela e que Augusto não a quebre mais do que ela já está quebrada.
Eu fiquei o livro inteiro com o coração na mão sem saber o que poderia acontecer, por que a história se desenrola em um clima de mistério, a Anna esconde muita coisa e a gente fica sem saber exatamente do que ela tá fugindo, mas acabamos torcendo para que o bem sempre vença.
Nesse livro nós também temos a presença da Barbie Malibu, que é uma espécie de fada madrinha da vida real, uma figura. O Bernardo, policial gostosão, a avó maravilhosa de Babi e Augusto, assim como a mãe e o pai deles, que formam uma família muito louca, porém lindíssima.
Depois de tudo que eu falei vocês ainda não foram correndo pegar esse livro pra ler?  O que você tá esperando, mulher?
Tá disponível no Kindle Unlimited, então não tem desculpa para não ler. Eu já garanti o meu volume 3 que é a história do irmão bonzinho, o Gustavo. Esse livro já deixa um bom gancho para a próxima história.




Pin It
9

TAG- Eu amo livros Nacionais


Para você noção do meu nível de lerdeza, eu criei essa TAG todo mundo já respondeu e eu estou respondendo só agora. É pra acabar kkkkk.
Mas se quiserem saber um pouco mais sobre os meus nacionais favoritos é só continuar lendo.
1- Qual é o seu autor (@) nacional favorito (@)?
Uma só não basta, tenho uma lista: Babi A. Sette, Diane Bergher, Anaté Merger, Chiara Ciodarot, Nana Valenttine, Raiza Varela, Carina Rissi e por aí vai ...
2- Qual é  o seu livro nacional favorito?
A promessa da Rosa no  quesito romance de época, O garoto que tinha asas - Raiza Varella e 8 Segundos - Camila Moreira no quesito new adunt e contemporâneo. Quero ler tudo o que essas autoras escrevem.
3- Qual é  o livro nacional mais desejado ou mais esperado por você?
O próximo livro dos irmãos Lancaster da Janice Diniz.
4- Qual é o livro nacional mais lindo da sua estante ou biblioteca Kindle?
Destinados - Carina Rissi, simplesmente adoro essa capa. Quero mais romances de época com mocinhos na capa <3. Também acho lindinha essa capa de  O primeiro amor de uma camponesa.
5- Qual foi o último livro nacional que você leu ou está lendo?
O último que li foi Bruto e apaixonado da Janice Diniz, mas o que estou lendo agora é Volte para mim da Paola. Ambos são sensacionais, super recomendo.

Já leu algum desses? Sinta-se Taguiado, quero muito ver as respostas de vocês. Use a #EuAmoLivrosNacionais.

Pin It
4

Resenha dupla: O amor nem sempre tem o mesmo CEP e Espevitada


Nome do livro: Espevitada

Autora: Noélia Ribeiro
Editora: Penalux
Ano: 2017
Páginas: 106
Nota Skoob: 4/5
Sinopse: 
 Como o título denuncia, “Espevitada” é o olhar alegre e brincalhão de uma autora que sabe balancear o lírico, com toda a sensibilidade que demanda a poesia, mas ao mesmo tempo, não deseja afundar-se no transbordamento dos sentimentalismos, mas sim, olhar com humor a tragicomédia da vida. Noélia Ribeiro faz uso da sensualidade em um culto a “Eros” realizado pela utilização de palavras que exploram os acentos sexuais, passionais, do corpo, do amor, das paixões, do sexo. A autora faz do amor o material dos seus versos, mas não apenas do amor dos amantes, porém, também, o da contemplação da vida, mesmo com todos os seus percalços. Na poesia da obra existem as vozes sociais num relembrar das feridas abertas no peito diante das atrocidades do homem, como em sua poesia “Guernica”, e também, um lamentar pelo tempo que passa levando consigo a inocência das crianças, que já adultas não são poupadas do conhecimento das mazelas dos homens e de toda devastação causada pela ganância. A autora que deseja ser entendida, escreve sem erudição e fala sobre a paixão e o sexo no mesmo nível de estarrecimento sentido na luxúria do envolvimento de dois amantes, tornando assim, sua poesia uma ponte entre o leitor e a autora, que juntos acendem-se vivos e espevitados no relacionamento com as palavras.
Em Espevitada, a escritora Noélia Ribeiro nos mostra mais de sessenta poesias, cheias de lirismo.

Em sua maioria, ela mostra muito erotismo e sexualidade, demonstrando o quanto o momento a dois pode ser quente, intenso e como uma pessoa pode conhecer e reconhecer bem cada parte do corpo do parceiro. Em outro momento, fala de relações sexuais de forma mais romântica e menos carnal.
Além disso, ela fala sobre saudade, a infância e algumas experiências deste tempo, fala da vida em sociedade utiliza humor e ironia, drama e amargura, natureza e dor.
A poesia que mais chamou a minha atenção foi ASTRONAUTA, que Noélia dedicou ao pai e a meu ver fala sobre a morte, sobre uma pessoa nunca mais voltar.
Sobre a estética do livro, posso dizer que esta capa é linda. Além de o livro ser em tamanho menor, o que dá um charme especial, a capa é roxa, com algumas pernas femininas desenhadas e o título em cor amarela. As folhas são amareladas e a fonte é boa.



Nome do livro: O amor nem sempre tem o mesmo CEP
Autora: Valéria Tarelho
Editora: Penalux
Ano: 2016
Páginas: 100
Nota Skoob: 4/5
Sinopse:
Falar sobre o amor chega a ser tarefa intransponível, parece que a essência da compreensão só pode fazer-se na cabeça, perdendo força e precisão para a formulação concreta dos sentimentos por meio das palavras. Valéria Tarelho, no entanto, consegue com poemas simples transmitir a complexidade deste sentimento. O próprio título “O amor nem sempre tem o mesmo CEP” sintetiza bem as ambiguidades e contradições que envolvem este nobre sentimento de amar. Valéria cria jogos de palavras, utiliza recursos gráficos, como parênteses para pluralizar as palavras sem, no entanto, se perder do seu objetivo final: direcionar o poema à sublimidade de seu raciocínio etéreo. No seu poema “Eu te contemplo [ há tempos ] “ o próprio título dá uma amostra da brincadeira com as contradições que a poeta faz, como se as palavras se escondesse por detrás de ocultamentos gráficos, para vendar aquilo que realmente é vontade da autora. Toda a estrutura deste poema é sobre a razão que batalha contra os instintos, que não podem ser suprimidos por sua inteligência, pois representam a força pulsante do amor, difícil e impossível de ser controlada. “O amor nem sempre tem o mesmo CEP” é um convite a explorar o amor por meio das palavras, e não apenas no nível da compreensão intelectual, mas sim, sentir o amor em cada pensamento desenvolvido, porque o jogo do ritmo, a astúcia do emprego das palavras despertam as emoções. Se os sentimentos trazem as palavras, na leitura, é a palavra que traz o sentimento, de forma a ressaltar a ambiguidade e a duplicidade do próprio amor.
Acredito que ao ler um livro de poesias, cada um é capaz de interpretar de maneiras diferentes o que está escrito. A poesia é capaz de abrir horizontes.

O ponto principal de partida das poesias deste livro é o amor e deixo aqui minhas impressões destas mais de cinquenta poesias de Valéria Tarelho.
Usando dos mais variados tipos de linguagem, a autora descreve o amor como algo louco, que apesar de simples pode nos fazer bem ou machucar. Quando amamos corremos riscos e deixamos os limites de lado.
O amor pode ser o problema, mas também a solução, ele une, preenche, se encaixa, nos atinge mas também nos salva. O amor tem vários jeitos e formas e traz novos sentidos. Pode ser egoísta e causar estragos, também pode ser correspondido ou não. É o olho no olho, a energia ou a falta dela. Às vezes faz parte das nossas fantasias, é apenas um sonho e é platônico, mas no final das contas, sempre vale a pena.
Sobre a estética do livro, é bastante agradável, com vários desenhos. As páginas são amareladas e a fonte é boa.
Se você gosta de poesias, este é um bom livro.




Pin It
0