Resenha: Razão e sensibilidade - Jane Austen (Desafio Jane Austen)

08:59


    Olá queridos leitores, como passaram de feriadão? leram muito? Assistiram muitos filmes e séries? Se empanturraram de chocolate né? 
   Hoje trago resenha de um dos principais livros da Diva Jane Austem precursora do estilo de romance históricos que conhecemos e apreciamos tanto, já venho querendo ler os livros dela há um tempinho, então nesse ano criei um projeto Lendo Jane Austen para conhecer as obras da autora. Se ficou curioso para saber a minha opinião, continue lendo.
Resenha
   Razão e Sensibilidade é um clássico que inspirou vários filmes e séries, o romance foi escrito há mais de duzentos anos, mais especificamente em 1811. Nessa história vamos conhecer a família Dashwood, que enfrenta um dilema comum da nobreza do século dezoito as consequências de ser mulher nesse período.
   Após a morte de Lord Dashwood, sua segunda esposa e suas três filhas provenientes desse casamento ficam totalmente desamparadas. Lord Dashwood era um homem de posses no entanto a lei da época assegurava que o primogênito homem herdasse tudo do pai inclusive o titulo e a fortuna. Sendo assim Harry Dashood o filho mais velho do primeiro casamento herda tudo, porém o pai em seu leito de morte pede que ele assegure o futuro de sua madrasta e suas irmãs, Harry prometeu que não as esqueceria.
   Porém Harry era um homem fraco, governado pela esposa, essa sim era astuta e sedenta por dinheiro acabou “fazendo a cabeça de Harry” de forma que ele não cumprisse o que havia prometido ao pai no seu leito de morte, então as Dashwood se viram indesejadas na sua própria casa em Norland Park .
   Elinor, Mariane, Margareth e a senhora Dashwood se viram  hostilizadas pela esposa do novo Lord, uma mulher fútil e que só pensava em dinheiro e mais dinheiro, a situação estava se tornando insuportável tanto que as Dashwood estavam procurando uma nova casa para morar, alguma moradia que fosse menor e menos cara que a atual, estudaram várias mansões mais nenhuma era compatível com o orçamento que tinham.
   O foco do romance será nas duas irmãs Elinor a mais velha e Mariane a do meio, duas pessoas totalmente distintas na aparência e nos sentimentos, enquanto Mariane era linda no auge dos seus dezessete anos, Elinor não tinha tantos atrativos assim, mas era inteligente e sensata, suas ações eram sempre pensadas com antecedência pois sempre agia com a razão, diferentemente de Mariane que era pura emoção e fazia tudo guiada pelos seus sentimentos.
   Jane Austen vai trazer uma critica social a esses comportamentos, os problemas que implica em uma pessoa ser racional demais em contra partida como uma pessoa que se deixava guiar pelas emoções eram vista pela Sociedade e até mesmo em seus relacionamentos amorosos.
   Quando Harry e sua esposa Fanny se estabeleceram na mansão em Norland receberam a visita do irmão de Lady Fanny, o jovem Edward Ferrars inteligente, culto e sensato assim como nossa querida Elinor sendo assim os dois ficaram muito próximos  durante a estadia de Edward em Norland Park de tal forma que surgiu um romance entre os dois, não houve promessas nem juras de amor eterno até mesmo pelo fato dos dois namorados serem muito sensatos.
    Elinor era uma possa sem posses agora em quanto Edward tinha um futuro brilhante pela frente além de ser herdeiro de toda a fortuna da mãe que certamente não permitiria o enlace dos dois.  Quando as Dashwood recebem uma carta de um primo distante dizendo que tinham um chalé em sua propriedade no qual as Dashwood podiam viver, esse chalé condizia com o orçamento delas e essa oferta parecia uma benção vinda dos us e solucionaria metade dos problemas que estavam enfrentando no momento.
   As Dashwood partiram para Barton Park  e dessa forma Elinor se viu separada de Edward, mas com a promessa de que iriam visita-las. Quando se instalaram em Barton Park e conhecer seus protetores Sir John Midleton e sua sogra a Sra Jenikins ambos espalhafatosos e bem humorados, por intermédio deles elas conheceram o Coronel Brandon, um homem na casa dos quarenta anos que se apaixonou pela jovem Mariane. Porem não foi correspondido pois ela achava ele muito velho e sonhava com o amor arrebatador.
   Tal amor arrebatador Mariane conhece no Jovem Willoughby que certo dia a salva em uma tempestade, os dois se apaixonam perdidamente um pelo outro e Mariane diferentemente de Elinor não tem medo ou vergonha de transparecer seus sentimentos perante todos. O que certamente não era uma atitude tida como correta para uma moça da época.
   Elinor e Mariane sofre muito no quesito amor, cada uma do seu modo, Elinor de forma calada e contida superficialmente enquanto por dentro estava arrasada, mas não deixava que sua vida amorosa influenciasse nos outros aspectos. Já Mariane não fazia questão de esconder nada, amava e sofria incondicionalmente.
   Se você gosta dos romances históricos escritos na atualidade tem uma grande chance de gostar de Razão e sensibilidade também, que esta escrito de forma simples e de fácil compreensão com uma linguagem de certa forma bem a temporal, recomendo muito a leitura, acho uma excelente forma de conhecer as regras da Alta sociedade Londrina do século XIX.
Minha Opinião
   Esse foi o meu primeiro livro do desafio Lendo Jane Austen, confesso que pensei que não iria gostar tanto, por ser um clássico que geralmente tem uma linguagem muito rebuscada, tramas difíceis de entender e coisa e tal. Mas para minha feliz surpresa o livro é maravilhoso, com uma história realmente incrível, com uma linguagem quase que atual e personagens extremamente cativantes.
   Me identifiquei demais com a Elinor,  principalmente em matéria de relacionamento, sou daquelas que amam ardentemente por dentro, mas por fora sempre procuro agir racionalmente e como foi exposto no livro ser totalmente racional tem suas desvantagens.
   Já a Mariane me irritou um pouco no começo, por ela não saber esconder os sentimentos, ela não mede as palavras e acaba ofendendo as pessoas, na maior parte do livro eu a vi como uma garotinha mimada e egocêntrica principalmente em relação a Elinor, em alguns momentos deu vontade de entrar no livro e falar  bem feito pelo que aconteceu com ela, mas depois ela cai em si e enxerga seus erros. 
   Edward Ferrars é um verdadeiro cavalheiro, honra suas palavras acima de tudo, mas confesso que em alguns momento fiquei com raiva dele e vontade de estapeá-lo, mas ele é maravilhoso mesmo assim.
   Já o Willoughby não consegui sentir muita raiva dele, mas sim pena pelas decisões erradas que ele tomou. O Coronel Brandon me irritou um tantinho no começo do livro, fiquei indignada com ele, pensava "esse cara não se enxerga mesmo como ele pode pensar que uma jovenzinha de dezessete anos pudesse corresponder os sentimentos de um quarentão enquanto tinha um novinho lindo e cheio de amor para dar?" Mas depois eu me apaixonei de tal forma pero Coronel que ele passou a não ter mais defeitos para mim.
   Eu assisti as duas principais adaptações sobre o livro, o filme de 1995 com Emma Thompson e Kate Winslet, também a minissérie da BBC de 2008, ambos são excelentes é claro que em matéria de verossimilhança a série vence pois retrata com mais detalhes a história do livro, enquanto o filme contem apenas as partes mais importantes e dispensa alguns personagens secundários. Em ambas adaptações os personagens estão bem semelhantes aos do livro.
Desafio Jane Austen
- Razão e Sensibilidade.
-Orgulho e preconceito.
-Mansfield park.
-Emma.
-A abadia de Northanger
-Persuasão.
Desafio Históricos e eu
– Ler um Romance Histórico com um casal na capa.
 – Ler um Romance Histórico nacional.
 – Ler um Romance Histórico clássico.
 – Ler um Romance Histórico em que o mocinho seja guerreiro.
 – Ler um Romance Histórico com a temática casamento.
 – Ler um Romance Histórico com mais de 500 páginas.
 – Ler um Romance Histórico de banca.
 – Ler um Romance Histórico com a capa masculina.
 – Ler um Romance Histórico ambientado no século 19.
 – Ler um Romance Histórico que você comprou pela capa.
 – Ler um romance histórico que o título comece com a inicial do seu nome.


 – Ler um romance histórico sobrenatural/fantasia.
   Recomendo tanto a obra quanto suas adaptações e espero que tenham gostado da resenha, deixe um comentário falando sobre o que achou do texto e se já leu o livro ou não.

VOCÊ PODERÁ GOSTAR DE:

16 comentários

  1. Olá :)
    Esse é um clássico da Jane. Conheço mais o Orgulho e Preconceito mas esse livro ai também é muito bom
    Abraço
    http://interessantedeler.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Minha próxima leitura será orgulho e preconceito.

      Excluir
  2. Jane Austen sempre trás assuntos que podem ser discutidos com facilidade nos dias de hoje.
    Não li e nem vi filmes do livro, enfim, mas acredito que seja uma história linda e muito interessante de se ler. Gosto como Jane aborda a família em seus livros ♥
    Beijinhos, Helana ♥
    In The Sky, Blog / Facebook In The Sky

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Disse tudo, além dela trazer uma linguagem de fácil compreensão.

      Excluir
  3. Sempre vejo muitas pessoas falando de Jane Austen e eu ainda não conheço nenhuma obra dela :( gostei da sua ideia do projeto, vou tentar fazer algo nesse sentido tbm.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Esse foi o primeiro livro que eu li dela e amei.

      Excluir
  4. Olá Mary,

    tenho amigas que adoram Jane Austen, eu particularmente nunca li os livros dela, sei que ela tem livros clássicos, entre eles talvez a principal obra seja orgulho e preconceito. Após ler sua resenha de razão e sensibilidade (que por sinal você está recomendando e gostou) fiquei com mais vontade de ler e conhecer as obras da autora. bjusss
    www.sagaliteraria.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É uma excelente autora eu recomendo muito a leitura de suas obras.

      Excluir
  5. Oi!!
    Nossa legal esse projeto, eu ainda não li nada dela e tenho muita vontade de ler.
    Eu acho que nunca vi o filme, não estou lembrando de ver algo com essa história, mas parece mesmo interessante.
    Imagina o desespero dessas mulheres num tempo que eram sustentadas pelo marido e não faziam nada para o seu próprio sustento, como elas iriam se virar agora.
    Deve ter sido emocionante acompanhar a histórias dessas duas personagens, uma guiada pela razão e outra pela emoção, isso deixa as personagens mais envolventes.
    O livro faz o leitor refletir um pouco como era a vida das mulheres naquele tempo, livros assim são interessantes e espero ter a oportunidade de ler.
    Beijão!
    Lilica - O maravilhoso mundo da leitura

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Realmente a vida daquelas mulheres daquele tempo não era nada facil, viver apenas para ser mães e esposas e nada mais.

      Excluir
  6. Jane Austen é maravilhosa, adoro os livros dela e o foco libertário que ela dá as narrativas. Quanto a questão de ‘linguagem muito rebuscada, tramas difíceis de entender’, isso ficou um pouco confuso para mim. Eu também vi as adaptações e amei, mas gosto mais do livro.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Quis dizer que a maioria dos livros clássicos tem uma linguagem difícil de entender, existem expressões é claro.

      Excluir
  7. Jane Austen, sempre diva!!! Amo livros que nos levam a refletir sobre a sociedade em que vivemos, a pensar sobre o passo e repensar o presente e o futuro. Jane faz isso como ninguém!
    Parabéns pela resenha!

    Bjss
    www.livrosdabeta.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  8. Ooi
    Não sou muito "chegada " a clássicos, sempre acho chato. Mas esse parece ter um bom conteúdo, talvez eu de uma chance haha
    Beijoos!
    www.estantemineira.blogspot.com

    ResponderExcluir
  9. Hahahahaha, nossa, Jane é atemporalmente né? Vejo só resenhas positivas e nunca o vocabulário é impecílio, acho isso incrivel.
    Outro ponto, achei essas personagens otimas, e bem, quando a gnete lê cçassico, tem de focar naquilo que é a realidade e a realidade da época era menininhas de 17 querendo caras de 40 hahaha. Estabilidade, terras, bom casamento, bom marido... Meninos novos não ofereciam isso. Aposto que eu tbm ia adorar o coronel.

    Bjs

    ResponderExcluir