Resenha Nacional: A Vampira- Martina Romero

06:12



Katherine Miller não é uma vampira comum. Ela é a vampira. Não importe onde more, ou a que clã pertença, ela sempre - e isso é uma verdade absoluta- será temida e respeitada por todos aqueles que compartilham do prazer da imortalidade.
Se lhe conhecessem há 300 anos atrás, nunca imaginariam que a garota apaixonada e doce, era a mesma garota fria e emocionalmente distante que é hoje. Seu coração a muito tempo não batia por alguém - figura e literalmente; depois de transformada, o restante da humanidade que carregava consigo se esvaiu assim que foi deixada por aquele que, acreditava ela, ser o amor de sua vida.
Decidida a provar para todos que era forte o suficiente para sobreviver sozinha em um mundo cheio de caçadores originais, Katherine se torna a vampira mais lendária de todos os tempos e, para isso, decide matar todos aqueles que ousarem se colocar em seu caminho - incluindo todos os caçadores originais que conseguir se alimentar.
Entretanto, anos depois de concluir sua missão pessoal de dilacerar e exterminar todos os caçadores originais, ela acaba tendo a desagradável descoberta que ainda lhe resta um. O problema com isso? Katherine acreditava que nenhum. Isto é, até que ela, sem nenhuma explicação,  passe a se sentir fraca na presença do mesmo.
Como se não bastasse sua atual situação, Katherine ainda precisa lidar com a volta de Daniele, o vampiro que a transformou em uma imortal, e depois abandonou-a. Com ódio e sede de vingança, tudo o que Katherine quer é estraçalha-lo  e faze-lo se arrepende de toda a dor que lhe causou, mas então, para sua infelicidade, ela percebe que, se quiser continuar viva e acabar com o último caçador, precisará de sua ajuda.
Com seu auto-controle no limite, Katherine fará de tudo para mostrar para Daniele que sua reputação de vampira dominante não foi lhe dada a toa. Mas a real questão é: será que o garoto está disposto a entrar nessa viajem propensa a perigos, caçadores e uma ex-namorada aparentemente rancorosa?
Bem, só lendo para saber a resposta.

Minha opinião
Uma das melhores coisas que podem nos acontecer ao terminar uma leitura, é perceber que iremos sentir falta da história e dos personagens do qual fomos apresentado. E foi exatamente isto que aconteceu com ''A Vampira''.
Quando lemos algum livro e pensamos sobre quem o escreveu, sempre imaginamos que o autor(a) é alguém de idade avançada e que vive relembrando suas histórias para os netos. Entretanto, a realidade é bem diferente. Acontece que, A Vampira, um dos melhores livros do gênero que já li, foi escrito por uma garota de apenas 13, repito: TREZE, anos de idade!
Uma das características que mais me agradaram no livro foi o modo como a autora conseguiu criar uma conexão entre o autor e a protagonista. Durante a leitura tive a impressão de que Katherine estava falando comigo,me contando sobre suas caças e sobre seus planos de exterminar Daniele.
Foi incrível a experiência de poder acompanhar, de perto, o modo como a protagonista foi mudando aos poucos, enquanto se abria para novas pessoas e novos sentimentos que a muito tempo haviam sido esquecidos.
O livro é escrito em primeira pessoa, e a leitura é leve e fluida, com o toque necessário de humor.

5 Motivos para ler
1- A narrativa é bem humorada, mesmo quando Katherine não tenta ser.
2- Apesar de parecer, o livro não é nada clichê e o enredo não se parece em nada com a Saga Crepúsculo (que, por sinal, sou apaixonada).
3- Como citado antes, a narrativa da a impressão que estamos dentro da história, e que a própria protagonista está narrando -nos sua história.
4- Apesar de conter cenas em que o desejo entre os protagonistas são visíveis, não há nada de vulgar. Sendo assim, pode ser lido por qualquer idade.

5- Bem escrito e com o total de 0 palavras escritas erradas, este é o livro perfeito para os perfeccionistas de plantão. 

    Visite o blog Unicórnio literário: Aqui ❤
   Não se esqueça de deixar um comentário dizendo o que achou dessa postagem, muitos abraços e beijos e até a próxima.

VOCÊ PODERÁ GOSTAR DE:

0 comentários